Princípios do Cooperativismo

Os princípios do Cooperativismo são as linhas orientadoras da prática cooperativista:

– Adesão voluntária e livre

As cooperativas são organizações voluntárias, abertas à participação de todos, independentemente de sexo, raça, classe social, opção política ou religiosa. Para participar, a pessoa deve conhecer as normas de funcionamento e decidir se tem condições de cumprir os acordos estabelecidos pela maioria.

– Gestão e controle democrático dos sócios

As cooperativas são organizações democráticas, controladas por seus associados, que participam ativamente na fixação de suas políticas e nas tomadas de decisões. Os cooperantes, reunidos em assembléia, discutem e votam os objetivos e metas do trabalho conjunto, bem como elegem os representantes que irão administrar a sociedade. Cada associado representa um voto, não importando se alguns detenham mais cotas do que outros.

– Participação econômica dos membros

Todos os associados contribuem igualmente para a formação do capital da cooperativa, o qual é controlado democraticamente. Se a cooperativa é bem administrada e obtém uma receita maior do que as despesas, esses rendimentos serão divididos entre os sócios, na proporção em que cada um operou com a cooperativa. O rendimento poderá também ser destinado para investimentos na própria cooperativa ou para outras aplicações, sempre de acordo com a decisão tomada na assembléia.

– Autonomia e independência

As cooperativas são autônomas, organizações de auto-ajuda, controladas por seus membros. Qualquer acordo firmado com outras organizações e empresas deve garantir e manter essa condição. A autonomia assegurada pela constituição brasileira concede às cooperativas a liberdade de gerar seus próprios destinos.

– Educação, formação e informação

É objetivo permanente da cooperativa fornecer educação e treinamento aos seus sócios, aos representantes eleitos, aos administradores e empregados, capacitando-os para a prática cooperativista e para o uso de equipamentos e técnicas no processo produtivo e comercial. Ao mesmo tempo, buscam informar o público sobre as vantagens da cooperação organizada, estimulando o ensino de cooperativismo nas escolas.

– Intercooperação

As cooperativas servem seus associados mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativista, trabalhando juntas, através de estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.

– Interesse pela comunidade

As cooperativas trabalham para o bem-estar e para o desenvolvimento sustentável de suas comunidades, através da execução de políticas aprovadas por seus associados.

Esses princípios constituem a base do cooperativismo praticado em todos os países, inclusive no Brasil, onde a Lei 5764, de 16 de dezembro de 1971, regulamenta seu funcionamento.